Colegiado Gestor do Hospital Ronaldo Gazolla comemora um ano

Em clima de festa, moradores da comunidade de Acari, na zona Norte do Rio, participaram da comemoração do primeiro ano do Colegiado Gestor do Hospital Municipal Ronaldo Gazolla. A ferramenta de gestão participativa reúne usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), lideranças comunitárias, cidadãos comuns, gestores e funcionários da unidade em conversas para apresentar propostas e melhorias que promovam a saúde e o bem estar social.

O hospital é gerido pelo Viva Rio, em parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro, desde dezembro de 2015. A partir das reuniões do colegiado, muitas propostas foram construídas, como por exemplo, os mutirões contra o Aedes Aegypti e a horta comunitária. O local serve como espaço de troca de experiências e interação entre a unidade de saúde e a população em seu entorno. Um dos articuladores sociais do Viva Rio, Jocelino Porto, distribuiu mudas de hortaliças e temperos para os participantes. Uma das presenteadas, Marlene de Lima, acredita que o colegiado tem um valor imensurável para a população. “Agora os moradores de Acari têm um espaço para ser ouvido e ter voz para falar. Nós conseguimos construir a cidadania junto com o hospital”, comentou. A aposentada também é voluntária do projeto Nosso Espaço, um dos programas da Prefeitura voltados para a terceira idade.

Jocelino e Marlene

A parceria com a Clínica da Família Marcos Valadão também traz bons resultados para os funcionários e para a população. O Agente Comunitário de Saúde, Messias Vital, reconhece que a cooperação entre as duas unidades de saúde possibilita a mudança em diversos setores. “A integração entre os gestores das unidades facilitou os processos de trabalho. Hoje, nós caminhamos juntos em busca da construção da saúde para esses moradores”, festejou.

Os Agentes Comunitários de Saúde do CF Marcos Valadão

Desde que o Viva Rio assumiu a gestão do Gazolla, Samanta de Oliveira passou a participar das reuniões do Colegiado Gestor. Em 2014, ela perdeu a sobrinha Juliana e o filho dela na Maternidade Mariana Crioula, localizada no hospital. Do luto à luta, Samanta criou a Mães do Hospital de Acari uma página de denúncia, reuniu outras mães e avós vítimas de negligência, procurou a imprensa e teve papel fundamental na investigação que levou ao afastamento da empresa que administrava a unidade anteriormente. Hoje, ela acompanha a mudança na maternidade e a página de denúncia também virou página de celebração. Posts com fotos de mães e bebês felizes passaram a ser frequentes.

Daiana, articuladora de Redes do Viva Rio, e Samanta Delabary, criadora da página Mães do Hospital de Acari

Postado em Notícias na tag , .