Redução de danos do Canadá atrai América Latina

Profissionais de saúde latino-americanos foram a Vancouver, no Canada, para um intercâmbio de experiências com a Portland Hotel Society (PHS). Criada há 20 anos, a instituição propõe o consumo supervisionado de drogas e o acolhimento de usuários como estratégias de redução de danos. A delegação brasileira foi composta por três representantes do Viva Rio: a coordenadora técnica Fabiane Minozzo, a psicóloga Maira Cabral e a enfermeira Lidiane Toledo.

A PHS funciona no Downtown Eastside, região conhecida como “o CEP mais pobre do Canadá”. Na década de 90, o bairro apresentava elevados níveis de violência, criminalidade e tráfico de drogas, principalmente heroína. O local tornou-se um reduto de usuários, que, marginalizados, acabavam vivendo em condições precárias de saúde. Foi quando Liz Evans, hoje uma das diretoras da instituição, resolveu começar o programa Needle Changing, através do qual promovia a troca diária de agulhas usadas por outras novas e descartáveis. O resultado foi uma queda brusca no compartilhamento dos insumos entre 1996 e 2003, de acordo com relatório do Centro de Excelência em HIV/AIDS de British Columbia.

Programa Needle Exchange realiza a troca de agulhas usadas por novas, evitando doenças contagiosas decorrentes dos compartilhamentos

Um dos principais compromissos da missão internacional foi a visita ao InSite, centro que aposta no uso assistido de entorpecentes como uma tática de redução de danos. A ideia não é impor a abstinência, mas dar os cuidados que o usuário precisa, como kits de seringas descartáveis e acompanhamento especializado. Quando chegam ao local, os usuários são direcionados a cabines individuais de consumo, que permanecem em constante monitoramento. “A leitura que a PHS tem é a de que a droga apazigua a dor. Os usuários se sentem amparados na InSite, assim como nos hotéis”, explica Fabiane.

Horta do centro comunitário da Portland Hotel Society (PHS), mantida pelos usuários de drogas cadastrados na entidade

O grupo também conheceu o centro comunitário da PHS, que dispõe de oficinas de reinserção social e programas de empregabilidade. Além disso, tiveram acesso aos “hotéis” para onde os usuários são levados após serem retirados das ruas. “Os abrigos não são gratuitos. São mantidos por uma espécie de ‘auxílio governamental’, que é suspenso a partir do momento em que o hóspede começa a trabalhar”, conta Maira.

Acomodações são mantidas pelo governo até que o usuário arrume um emprego

Para Lidiane, a experiência canadense impressiona pela maneira com que os profissionais enxergam o usuário de drogas. “Eles não são taxados de doentes. O consumo de entorpecentes é visto como um direito individual. Não há a imposição de modos de vida, mas são oferecidas outras possibilidades, como desintoxicação e reintegração social”, conta.  Entretanto, na avaliação de Maíra, essas alternativas poderiam ser mais enfatizadas, de modo a tentar enfraquecer a ligação do usuário com a droga. “Alguns deles tem casa, comida, um centro de desintoxicação e, mesmo assim, permanecem numa relação de quase exclusividade com o entorpecente”, lamenta.

 

 

 

6 Fashion Tips for Gardeners
video porno gratis who joked about his reputation as the city’s worst dressed mayor

Telcos’ Survival in an Era of Fashion
lupo porno you need to leave behind some items you can still work with

Mertesacker just stopped Drogba in spectacular fashion
redtube I’m just cutting the

How to find the best wholesale body jewelry
redtube As he follows a lead of a drug dealer

Good Color Combinations for Clothes
pornos.porno I couldn’t even tell I had makeup on

Importance of Computers in Fashion Designing
anime porn Fashion is not gender sensitive

Sunice WOMEN’S ADDISON ZEPHAL WATERPROOF PANTS
cartola fc a closer look at 2 computer the big boys

east Asia And Other Countries Imparting Skills And Competencies
snooki weight loss They should be about 1
Postado em Notícias na tag .